Follow by Email

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Minhas regras, você as dita.




A tanto tempo eu vinha pedindo um amor, eu achava que o que eu sentia por todos era amor... Serio. Pessoas vinham, se apoderavam, me chutavam e eu chorava e sofria, e continuava achando que era amor. Era patético, sabe, aquela ''mania de criança''. 
E eu continuava ali. Esperando. Pedindo. Acreditando. Algo me dizia que eu ia encontrar um amor, mas não ''aquele que achamos que é amor'', algo em meu peito me cutucava e me dizia que eu ia encontrar o MEU amor, o amor que todos dizem, o amor de verdade. 
A partir de então comecei a desapegar de todos que me apegavam, era doloroso, confesso, mas eu tinha receio e quem sabe ate medo de que todas aquelas pessoas me machucassem e me fizessem mal, se curar requer prática, coisa que eu não tenho...
Mas mesmo eu me afastando do mundo, me afastando das coisas, me afastando das pessoas, meu amor foi se aproximando de mim, tímida e cautelosamente, mas se aproximou. E eu pensei '' mas que bichinho corajoso, desobedeceu minhas regras''. 
Fiquei emburrada, como pode? São as minhas ordens, e ele deve segui-las! 
E então ele fez por fazer, seguiu as minhas ordens e começou a escorregar por entre meus dedos. Quase o deixei escapar e quando ele estava quase se desprendendo me veio em mente '' Ué Dani, como assim? Você não queria um amor? Ué Dani, ele veio até você e o deixou escapar? Como pode Dani, talvez do que você precisava era isso, alguém que não seguisse suas regras. Agora Dani, pare de pensar e vai agarrar o seu amor. ''
Como um bichinho do mato fui atras dele, tanto tempo na ''floresta'' me esqueci de como era a cidade, de como é chegar nas pessoas, de como são os comportamentos delas. Querendo recuar fui até ele, tão diferente de mim e era isso que mais me atraia. E cheguei, voz tremula, pernas bambas, borboletas na boca do estômago.
 ''E agora Dani, o que dizer a ele?''
__É que... Bem... Acho que... que... Bom, acho que me apaixonei por você; 
'' Mas que patético Dani, como assim? Você disse que acha? Larga de ser burra! Você não o ama?'' 
 __Mais que tudo!
'' Então diga sua Boba!!!!!'' 
__Mas é isso que quero fazer!
''Então diz!'' 
__Eu te amo!
''Não Dani, diz de verdade!'' 
__Eu nunca me apaixonei por você, não, nunca! Eu sempre te amei, desda hora em que você foi diferente dos outros e desobedeceu minhas ordens! Eu te amo, com todas as letras e fonemas, eu apenas te amo'' 


''Parabéns bichinho do mato, agora corre e vai ser feliz''